Etiologia

  Crianças - Em crianças, a fissura anal geralmente está associada à constipação intestinal. O bolo fecal volumoso e endurecido pelo ressecamento esgarça a pele da região posterior do canal anal que está intimamente aderida ao esfíncter interno, e não cede, destarte, facilmente à passagem do conteúdo calibroso.

Adultos - Em adultos, em geral, não se consegue apontar uma causa que isoladamente seja responsável pelo aparecimento de fissuras anais. Ainda assim, o parto normal tem sido responsabilizado pelo aparecimento de fissuras anais em mulheres, bem como o trauma perineal que redunda do parto normal, que provocaria retração cicatricial e acolamento anormal da submucosa anterior do canal anal. Estas duas eventualidades explicariam a maior predisposição das mulheres para fissuras anais anteriores.

   Da mesma forma que nas crianças, a constipação intestinal também tem sido responsabilizada pelo surgimento de fissuras anais em adultos de ambos os sexos, produzindo fissuras anais posteriores por trauma sobre a região posterior do canal anal.

   A diarréia também tem sido implicada como causa de fissuras anais pela acidez das fezes eliminadas, que acaba provocando erosões cutâneas superficiais que evoluem para fissuras.

   A história de doenças anais prévias também tem sido levantada em muitos pacientes portadores de fissura anal. Provavelmente, a retração cicatricial que resulta do selamento de feridas anais outrora existentes enrijece localmente a circunferência do canal anal, por acolamento tecidual fibrótico, tornando a pele adjacente vulnerável ao rompimento caso seja demasiadamente estirada (especialmente pela passagem de fezes duras e volumosas).

   Traumatismos anais pela introdução de corpos estranhos no canal anal, seja para fins terapêuticos (termômetros, supositórios, bico de dispositivos para lavagem intestinal, etc.), fins eróticos, ou por acidente (empalamento, queda a cavaleiro) são descritos como causa de fissuras anais.

   O tônus elevado de repouso do músculo esfíncter interno do ânus tem sido responsabilizado pelo aparecimento de fissuras anais em determinados indivíduos. Neles, o ânus estaria submetido normalmente a uma força maior de fechamento, que se oporia à passagem de fezes mais volumosas. Estando a pele de revestimento do canal anal ajustada anatomicamente a conviver com este canal de menor calibre, não suportaria dilatações maiores do que está acostumada a sofrer para a eliminação fecal. Fezes volumosas então, ao serem eliminadas em canais anais de indivíduos com hipertonia esfinctérica interna, romperiam o tegumento por estiramento demasiado e provocariam o aparecimento de fissuras anais.